sexta-feira, 27 de maio de 2011

História do RN - Uma Síntese

Original em http://www.tribunadonorte.com.br/especial/histrn/hist_rn_16g.htm

Da Pré-História ao Final do 2º Milênio

O homem primitivo, nascido em terras potiguares antes da vinda dos europeus, é bem mais antigo do que se imaginava.
Antes de chegar ao Nordeste, teria vindo possivelmente da Ásia, através do Estreito de Bering ou por outras vias. O fato é que, com o passar do tempo, atingiu as terras que formariam, no futuro, o Rio Grande do Norte.
Esses povos desenvolveram culturas, procurando se comunicar, inventaram um tipo de escrita, conhecida pelo nome de inscrição rupestre, uma linguagem formada por traços, círculos, pontos e até pinturas.
A coloniza européia, no Nordeste brasileiro, foi conseqüência da expansão do imperialismo europeu. Nesta região, tentaram se fixar franceses, espanhóis, holandês e portugueses.
Filipe II, da Espanha, ao anexar Portugal e suas colônias, procurou de imediato se apossar de todo o Nordeste e da região Norte. Mandou expulsar os franceses da Capitania do Rio Grande, construir uma fortaleza (a Fortaleza da Barra do Rio Grande ou, como é mais conhecida, Fortaleza dos Reis Magos) e fundar uma cidade.
A expedição armada, comandada por Mascarenhas Homem, fracassou, porém, Jerônimo de Albuquerque, os jesuítas e os líderes nativos conseguiram, através de navegações, a pacificação da região.
Expulsos os franceses, construída a fortaleza no dia 25 de dezembro de 1599, João Rodrigues Colaço fundou Natal, que deveria funcionar como núcleo inicial de colonização se desenrolasse de maneira lenta.
Os holandeses tentaram conquistar o Nordeste, primeiro, procurando se apossar da capital da colônia (1624/1625). Sonhavam com 8.000 florins que a Bahia arrecadava anualmente. E, a partir daquela capitania, conquistar todo o País. Foi, contudo, um sonho que se desmoronou, por sinal bem rápido.
O fracasso foi total, mas a idéia de tomar o Brasil da Espanha continuava, pois não admitiam a derrota que sofreram para seu grande rival... E fizeram uma segunda tentativa. Escolheram, agora, a terra do açúcar, Pernambuco!
Conseguem o seu objetivo, se apossando de Pernambuco e, ainda, avançam, conquistando todo o Nordeste.
O conde de Nassau, figura invulgar, procurou não apenas explorar as terras sob seu domínio, como desejava a Companhia Privilegiada das Índias Ocidentais, e sim agir como se fosse um "mecenas". Incentivou a arte, a ciência e a cultura. Mostrou-se, ao mesmo tempo, hábil político e bom administrador.
O Rio Grande possuía um vasto rebanho de gado bovino, necessário para abastecer os invasores. Era urgente, portanto, a sua conquista, após muita pesquisa - porque a fortaleza da Barra do Rio Grande (Reis Magos) aparecia como um grande obstáculo. Mas, ao contrário, a tomada da fortaleza foi bem mais fácil do que eles esperavam. Aqui, os holandeses agiram de uma maneira bem diferente: nenhuma preocupação pela arte, ciência, cultura. A capitania foi transformada numa fornecedora de carne bovina para Pernambuco.
No Rio Grande, o conflito se agravou por causa do fanatismo religioso, provocando dois grandes massacres: o de Cunhaú e o de Uruaçu.
Apesar da violência, a tradição indicava os holandeses como sendo os autores de obras importantes, como a fortaleza dos Reis Magos ou, então, a ponte (antiga) de Igapó, construída muito depois de sua expulsão... Existe apenas uma explicação para tudo isso: uma resistência, pelo menos a nível de subconsciente, contra a colonização lusitana.
O último ato dos batavos, no Rio Grande, foi mais violência. Vencidos, obrigados a deixar a capitania, lançaram fogo, destruindo o que podiam, inclusive, documentos.
Após os flamengos, a capitania conheceu outro momento de grande violência: "A Guerra dos Bárbaros". Provocada pelos brancos, que desejavam tomar a terra dos seus legítimos donos, ou seja, dos nativos. A violência gerou violência. Bernardo Vieira de Melo, compreendendo essa verdade, agiu com competência e justiça, conseguindo aplicar a região sob o seu comando.
Essas duas guerras, contra os holandeses e dos "Bárbaros", foram responsáveis pelo atraso, ou seja, impediram o desenvolvimento natural do Rio Grande do Norte.
No século XVIII, a economia tinha por base apenas a agricultura e a indústria pastoril.
A Revolução de 1817, em Recife, teve reflexos no Estado. José Inácio Borges, que governava a capitania, procurou reagir, sendo preso por André de Albuquerque. O movimento não contou com o apoio popular. A reação monarquista veio logo a seguir, triunfando. André de Albuquerque, ferido, foi levado preso para a fortaleza, onde faleceu.
A independência do Brasil foi outro acontecimento que não conseguiu entusiasmar o povo. Houve apenas uma festa para comemorar a emancipação política do País, no dia 22 de janeiro de 1823.
A Confederação do Equador, no Rio Grande do Norte, se caracterizou pela atuação de Tomás de Araújo Pereira, para evitar que ocorressem conflitos armados no Estado. Sofreu, chegando a se humilhar, porém, conseguiu o seu intento.
A escravidão representava, no final do século XIX, o atraso, identificada com a decadente monarquia.
O abolicionismo, ao contrário, representava o novo e para muitos fazia parte dos ideais republicanos. Foi, contudo, a princesa Isabel quem decretou o fim da escravidão, no dia 13 de maio de 1888.
A grande falha do abolicionismo, no Brasil, foi a de não ter lutado pela integração do negro na sociedade, após a sua libertação. Como resultado, os africanos e seus descendentes passaram por grande dificuldades. Alguns se deslocaram para regiões distantes das cidades, formando comunidades fechadas, como em Capoeira dos Negros.
A libertação dos escravos, no Rio Grande do Norte, foi defendida por grupos de jovens e intelectuais, que fundavam, em seus municípios, associações que batalhavam pela emancipação do negro.
Mossoró foi a primeira cidade que libertou seus escravos, no dia 30 de setembro de 1883.
A Proclamação da República, a exemplo de outros acontecimentos, não despertou grande entusiasmo no povo potiguar. Teve caráter meramente adesista.
No novo regime, predominavam os interesses da oligarquia Albuquerque Maranhão. Contra ela, se insurgiu José da Penha Alves de Souza, promovendo a primeira campanha popular do Rio Grande do Norte. Patrocinou a candidatura do tenente Leônidas Hermes da Fonseca, que não conhecia e nem desejava governar o Estado... Abandonado pelo seu candidato, José da Penha voltou para o Ceará, onde chegou a ser eleito deputado estadual.
Quando o eixo econômico passou do litoral (açúcar-sal) para o sertão (algodão-pecuária), apareceu uma nova oligarquia, liderada por José Augusto Bezerra de Medeiros, cujo domínio terminou com a Revolução de 1930.
O regime político, apodrecido pelas fraudes, corrupção, provocou o descontentamento de grupos militares e civis. Dentro desse contexto, Luís Carlos Prestes e Miguel Costa percorreram o País com uma tropa, a "Coluna Prestes", protestando contra o autoritarismo do presidente Artur Bernardes. A "Coluna Prestes" entrou no Rio Grande do Norte pela Zona Oeste, travando combates com a polícia, durante o governo de José Augusto Bezerra de Medeiros.
A ‘Questão de Grossos" começou no século XVIII, quando Rio Grande do Norte e Ceará não tinham definido suas fronteiras. O Ceará precisava do sal potiguar para poder fabricar suas carnes de sol. A Câmara de Aracati (Ceará) pretendeu além das de seu Estado, penetrando em terras do Rio Grande do Norte. Era a chamada "Questão de Grossos".
Em 1901, a Assembléia Estadual do Ceará elevou Grossos à condição de vila, incluindo no seu território uma vasta área do Rio Grande do Norte. Alberto Maranhão, governador do RN, protestou. Era iminente um conflito armado entre os dois Estados. Para evitar o agravamento da crise, a controvérsia foi levada para uma decisão, através do arbitramento. Na primeira fase, o resultado foi favorável ao Ceará. Pedro Velho, então, convidou Rui Barbosa para defender a causa potiguar. Essa defesa também contou com a participação de Augusto Tavares de Lyra. Como resultado, o jurista Augusto Petronio, através de três acórdãos, deu ganho de causa em definitivo ao Rio Grande do Norte, em 1920. A "Questão de Grossos" estava encerrada.
A República foi ingrata com o sertão, que continuou abandonado, isolado dos grandes centros urbanos, com a maioria de sua população na ignorância e na miséria.
No sertão dos coronéis, os mais humildes tinham três opções: viver eternamente agregado às famílias dos coronéis; integrar-se ao cangaço, ou penetrar no mundo místico, cujo fiéis terminavam enfrentando os coronéis e se transformavam em grupos de "fanáticos".
Lampião levou pânico ao interior nordestino, chegando a invadir Mossoró, sendo derrotado pelo povo daquela cidade, sob a liderança do coronel Rodolfo Fernandes.
O cangaceiro, no sertão, era um misto de bandido e de justiceiro, único a fazer frente ao absolutismo dos coronéis.
Jesuíno Brilhante é o representante potiguar típico do cangaço.
Os grandes místicos do Nordeste foram: padre Cícero e Antônio Conselheiro.
Os fanáticos da Serra de João do Vale, liderados por Joaquim Ramalho e Sabino José de Oliveira, foram os místicos mais conhecidos da história do Rio Grande do Norte. O fim deles, porém, foi melancólico, derrotados pelo tenente Francisco de Oliveira Cascudo.
A Revolução de 30 irrompeu no Brasil para modificar a estrutura política existente no País. Governava o Estado, Juvenal Lamartine, muito dependente do poder central, e teve, segundo seus adversários, uma preocupação básica: perseguir seus inimigos... Com a Revolução de 30, perdeu o governo, caindo sem resistir.
A Revolução de 30, no Rio Grande do Norte, significa, sobretudo, a atuação de João Café Filho. Foi um lutador, procurando isntalar no seu Estado os ideais revolucionários. Encontrando sempre a resistência das oligarquias, lideradas por José Augusto de Medeiros.
A Revolução de 30 enfrentou momentos difíceis, por causa da oposição das classes conservadoras, representadas pelo Partido Popular. O governo central orientou Mário Câmara para fazer uma composição de forças, com o Partido Popular. O interventor, entretanto, não conseguiu efetivar tal aliança. Em vez de pacificação, cresceu o clima de agitação, fazendo com que o final da administração se transformasse no período de maior violência ocorrido até aquele momento.
A classe operária, contudo, começou a se organizar, se unindo em torno dos sindicatos.
Cinco anos depois de ter ocorrido a Revolução de 30, surgiu outro movimento armado, a Intentona Comunista. Gerado, em parte, pelo descontentamento provocado pelo governo de Mário Câmara, e que foi liderada por um grupo de comunistas. Vitoriosa a rebelião, uma grande agitação dominou Natal, com estabelecimentos comerciais assaltados e, ainda, com assassinatos.
A resistência maior foi feita pela polícia, sob o comando do major Luís Júlio e do coronel Pinto Soares. Surgiu um mito, transformado em herói: o soldado Luiz Gonzaga.
Foi instalado o "Comitê Popular Revolucionário" no dia 25 de novembro de 1935. Circulou o jornal "Liberdade".
Com o fracasso da Intentona, no Recife e Rio de Janeiro, os rebeldes abandonaram Natal, seguindo o rumo do Seridó. Na Serra do Doutor houve o encontro dos fugitivos com forças sertanejas, com a debandada de ambas as facções... Terminava, assim, a Intertona Comunista. A repressão foi violenta,
Mas o destino de Natal não seria, apenas, a de ser palco de violência. A sua localização geográfica fazia com que a cidade fosse predestinada para ocupar um lugar de destaque na história da aviação, desde os primórdios, na época dos hidroaviões, quando grandes aeronautas passaram por Natal: marquês De Pinedo, Paul Vachet, Jean Mermoz, etc.
O primeiro aeroplano que aterrissou no Estado foi um Breguet, pilotado por Paul Vachet.
Em 1927, o coronel Luís Tavares Guerreiro indicou a Vachet um local apropriado para construir um aeroporto, que aeroporto, que servisse de pouso para os aviões da Lignes Latércoère. Aprovado, nasceu assim o Aeroporto de Parnamirim. Foi inaugurado por um "Numgesser-e-Coli", pilotado por Dieu Domé Costes e José le Brix, concluindo, com êxito, o roteiro Saint Louis do Senegal-Natal.
Graças ao empenho de Juvenal Lamartine, no dia 29 de dezembro de 1928 foi fundado o Aéro Clube.
Em 1º de janeiro de 1931, o navio italizano "Lazeroto Malocello", comandado pelo capitão de fragata Carlo Alberto Coraggio, chegava a Natal, trazendo a Coluna Capitolina, ofertada pelo chefe do governo italiano Benito Mussolini, para comemorar o "raid" Roma-Natal, feito pelos aviadores Del Prete e Ferrarin.
Cinco dias depois, Natal recebeu a visita da esquadrilha da Força Aérea italiana, comandada pelo general Balbo. Governava o Rio Grande do Norte, Irineu Joffily.
Natal iria ficar mais famosa ainda durante a Segunda Guerra Mundial. Os norte-americanos, nesse período, construíram uma megabase, que desempenhou um papel tão significativo no grande conflito que se tornou conhecida pelo nome de "O Trampolim da Vitória".
Em Natal, ocorreu a reunião entre o presidente do Brasil, Getúlio Vargas e o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, na chamada "Conferência de Natal" (28-1-1943).
A cidade cresceu, multiplicou sua população, foi visitada por personalidades ilustres de diversos países, e, sobretudo com o progresso, a população mudou de hábitos.
Para uma maior integração dos militares americanos com os nataleses, foram realizados, inúmeros bailes. Como conseqüência, houve uma invasão de ritmos estrangeiros: rumba, conga e boleros.
Natal, assim, perdeu definitivamente seu jeito de cidade provinciana.
O populismo se impôs, no Rio Grande do Norte, durante os anos 60, através de dois grandes líderes políticos: Aluízio Alves e Djalma Maranhão. O primeiro, oriundo do Partido Popular, se apresentava como sendo do Centro, iniciando o processo de modernização do Estado. O segundo nacionalista radical, homem de esquerda.
O golpe militar de 64 se caracterizou, no Rio Grande do Norte, apenas pelas perseguições a jovens e intelectuais da terra, como Moacyr de Góes, Djalma Maranhão, Mailde Pintou e outros. Luís Maranhão, ao que parece, foi morto pelas forças da repressão. Djalma Maranhão, exilado, com saudade do seu povo, morreu no Uruguai. Aluízio Alves, Garibaldi Alves e Agnelo Alves tiveram seus direitos políticos cassados pelo AI5
Na história educacional do Estado, um colégio se destacou: Ateneu, que se transformou num centro cultural de grande importância.
A "Campanha de Pé no Chão Também se Aprende a Ler" provocou uma verdadeira revolução no processo educacional do Rio Grande do Norte, nos anos 60, liderada por Djalma Maranhão, Moacyr de Góes e Margarida de Jesus Cortez.
O ensino "normal" passou por uma série de vicissitudes até o funcionamento do Instituto Presidente Kennedy. Inaugurado, por sua vez, com grandes festas, no governo de Aluízio Alves. Recentemente, foi redimensionado, ministrando o curso de 3º grau, visando a formação de um novo professor, cotando com a assessoria do professor Michel Brault.
A cultura no Rio Grande do Norte apresenta páginas brilhantes. Desde a fundação do seu primeiro jornal, "O Natalense", em 1832, pelo padre Francisco de Brito Guerra, até o presente momento, a imprensa escrita ocupou um lugar de destaque.
No século XIX apareceu o primeiro romance, "Mistério de um Homem", de Luís Carlos Lins Wanderley.
Nomes femininos que brilharam no século XIX e início do século XX: Isabel Gondim, Auta de Souza e Nísia Floresta.
Ferreira Itajubá é considerado o grande poeta do século XIX. A partir dessa época, surgiram grandes poetas até os dias atuais.
No dia 29-3-1902 foi fundado o Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. Luís da Câmara Cascudo, no dia 14-11-1936, fundou a Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.
O movimento cultural cresceu muito e jornais se multiplicaram em praticamente todos os municípios do Estado.
Na atualidade, algumas instituições têm contribuído para o desenvolvimento cultural do Estado: Fundação José Augusto, "Coleção Mossoroense" e Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
O estado conta, até o presente momento, com duas antologias, reunindo os poetas do Rio Grande do Norte: a primeira, organizada por Ezequiel Wanderley, foi publicada em 1922 sob o título "Poetas do Rio Grande do Norte" e a segunda, escrita por Romulo Chaves Wanderley, que publicou, em 1965, o "Panorama da Poesia Norte-Rio-Grandense".
Novas antologias estão sendo preparadas. Uma delas organizada por Constância Lima Duarte, juntamente com a poetisa Diva Cunha.
A economia do Estado teve um lento caminhar, prejudicada por períodos de longas estiagens. Teve alguns ciclos: gado, cana-de-açúcar, algodão, sal, etc.
A partir de 1974, com a abertura do poço pioneiro, o petróleo começou a crescer na economia estadual. Fala-se, agora, no "Pologás-sal", que caso venha a se tornar realidade, trará grandes benefícios para o Rio Grande do Norte.
O turismo é apontado pelos especialistas como um setor que tende a crescer, pela potencialidade que a terra potiguar possui.
Foi construída uma rede de hotéis na Via Costeira e recentemente a Secretaria Estadual de Turismo organizou uma grande festa que abriu a VI BNTM (Brazil National Tourism Mart). Durante o evento, mais de 2.000 participantes freqüentaram os estandes dos nove Estados, armados no Pavilhão Parque das Dunas, do Centro de Convenções, em Ponta Negra.
O Rio Grande do Norte se encontra incluído no polígono das secas.
O governo Garibaldi Alves elegeu a irrigação como uma das metas prioritárias de sua administração. O seu projeto é interligar as principais bacias, como uma maneira de levar água de boa qualidade para a população, incluída nas comunidades atingidas pela seca, com a irrigação de uma vasta área do território potiguar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário