domingo, 27 de outubro de 2013

Canguaretama funda a mais nova Academia de Letras do RN

Depois de 155 anos de existência, os canguaretamenses criaram sua academia de letras (Academia de Letras de Canguaretama RN - ALC). A reunião ocorreu na manhã do domingo (27/10/2013), no Casarão da Família Gomes, no centro da cidade. O objetivo que moveu a criação da Academia foi incentivar o desenvolvimento cultural do município. Em breve a diretoria provisória organizará o estatuto e abrirá espaço para a indicação dos membros efetivos. A comissão provisória, que dirige a entidade, foi formada inicialmente por: Francisco Alves Galvão, Eduardo Gomes de Carvalho, Erivan de Souza Lima, João Maria Alves de Castro, Maria de Fátima Pessoa, Anadir Pessoa Cavalcante e Auricéia Antunes de Lima. A reunião se deu num clima especial de companheirismo e preocupação com a cultura local. No final, todos puderam demonstrar a satisfação pelo grande acontecimento e foram feitas várias leituras de obras literárias entre os presentes. Um brinde especial pelo sucesso de todos selou a reunião.

sábado, 26 de outubro de 2013

A suática em Natal

Casa da Suástica

"A Ribeira era um bairro de intensa frequência dos pracinhas estadunidenses durante a Segunda Guerra mundial e também o local do sobrado do italiano Guglielmo Lettieri – um rico comerciante dono da Cantina Lettieri e da única fábrica de gelo da cidade de Natal na década de 1930. Fascista e admirador do nazismo, Guglielmo se estabeleceu em Natal nas primeiras décadas do século XX, no sobrado situado à Rua das Virgens, nº 184 – das principais artérias da cidade. A área preservada com o piso da suástica era parte de sua sala."

http://papjerimum.blogspot.com.br/2011/09/consulado-o-primeiro-bar-museu-marcas.htmlCasa da Suástica "A Ribeira era um bairro de intensa frequência dos pracinhas estadunidenses durante a Segunda Guerra mundial e também o local do sobrado do italiano Guglielmo Lettieri – um rico comerciante dono da Cantina Lettieri e da única fábrica de gelo da cidade de Natal na década de 1930. Fascista e admirador do nazismo, Guglielmo se estabeleceu em Natal nas primeiras décadas do século XX, no sobrado situado à Rua das Virgens, nº 184 – das principais artérias da cidade. A área preservada com o piso da suástica era parte de sua sala.
http://papjerimum.blogspot.com.br/2011/09/consulado-o-primeiro-bar-museu-marcas.html
Copiado de https://www.facebook.com/photo.php?fbid=618321951544722&set=a.102666953110227.1560.100001007683810&type=1&ref=nf

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Um figura que ganhou novos contornos de contradiçlão

Foto: Dom Eugênio Sales, grande nome da Igreja Católica no Brasil era  agente duplo da ditadura
Documentos inéditos provam a colaboração do primaz com a ditadura. 

Em 1976, sob a égide do Ato Institucional nº 5 e cercada por denúncias de torturas, prisões, desaparecimentos e mortes de presos políticos, como a do jornalista Vladimir Herzog, a ditadura começava a ruir em meio à transição “lenta, gradual e segura” anunciada pelo general Ernesto Geisel. A Igreja Católica, por meio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cobrava do governo informações e esclarecimentos sobre os abusos e condenava o caráter arbitrário do regime militar.

Acuados, os generais buscavam minar o ímpeto das lideranças católicas dentro da própria CNBB. Contaram, para isso, com uma das figuras mais influentes do clero: o cardeal e então arcebispo do Rio de Janeiro, dom Eugênio Salles. É o que revelam documentos oficiais obtidos por CartaCapital junto ao Arquivo Nacional em Brasília. Em relatório de 14 de março de 1976, o I Exército do Rio de Janeiro relata ao Serviço Nacional de Informações (SNI) como o cardeal conseguiu conter os esforços da própria CNBB de lançar uma campanha contra a repressão. Ao se referir ao “clero católico”, o documento dizia: “A CNBB pretendia fazer declarações sobre as atuais prisões, envolvendo elementos do PCB, no RJ/RJ. Dom Eugênio Salles conseguiu esvaziar o movimento da CNBB. Irah a Roma ET, no seu retorno ao país, farah declarações favoráveis”.

A evidência fica clara em outro documento do SNI, também parte do acervo do Arquivo Nacional. A carta da CNBB, endereçada ao general Ernesto Geisel em 24 de setembro de 1975, pedia esclarecimentos sobre o paradeiro de presos políticos. Preocupada em obter esclarecimentos “alviçareiros ou trágicos, mas definitivos” sobre casos de militantes desaparecidos, a entidade dizia ao então ditador: “Permanece, no entanto, um determinado número de desaparecimentos para os quais ainda não se obteve informações satisfatórias. (...) Até esta data, no entanto, os esclarecimentos não foram satisfatórios. Isto é motivo de desespero para as famílias dos desaparecidos e de angústia para nós pastores”. O então presidente da CNBB, Aloísio Lorscheider, termina a carta com uma súplica: “Gostaríamos de receber melhores esclarecimentos, bem como qualquer retificação, sobre imprecisão dos dados ou fatos aí contidos”.

Diante da pressão, os militares usavam dom Eugênio – arcebispo primaz do Brasil desde 1968 – como uma espécie de garoto de recados, de acordo com o documento do I Exército do Rio de Janeiro ao SNI, de 1976. À época da prisão de jornalistas ligados ao PCB, como Oscar Maurício de Lima Azêdo e Luiz Paulo Machado, foram coletados depoimentos de outros profissionais de imprensa, como Fichel Davit Chargel e Ancelmo Gois, por meio dos quais seriam reveladas operações do PCB no Rio. Com tais informações nas mãos, os militares pressionaram o fotógrafo Luiz Paulo Machado para que redigisse uma carta de repúdio ao comunismo, a fim de demonstrar arrependimento pela militância. A existência da carta de próprio punho, ressalta o documento oficial, era para ser mantida sob “alta compartimentação” (sigilo).

Apesar da carta escrita na madrugada de 13 para 14 de março, os militares queriam mais. Pediram, como relata o documento da Operação Grande-Rio – que visava “buscar intimidar ou desencorajar livre manifestação subversiva VG especialmente por meio de prisões de subversivos selecionadas por suas atuações destacadas” –, que dom Eugênio conversasse com a mulher do fotógrafo, Elaine Cintra Machado, para sugerir procurar o comandante do I Exército e obter informações sobre o detido. Era de extrema importância, no entanto, que o arcebispo deixasse transparecer o mínimo sobre a relação próxima que tinha com os militares. “Dom Eugênio Salles, por solicitação do CMT do I EX, fazendo transparecer ser iniciativa sua, aconselhou a Elaine que procurasse o CMT do I EX, dando a crer, também que soh o Exército poderia cooperar com ela.”

O objetivo seria pressioná-la, a fim de conseguir “o apoio ET a cooperação de Elaine”, como sugere o relatório sobre os procedimentos a serem tomados com a militante denunciada pelo marido como “responsável pelo movimento financeiro do PCB, no RJ”. A intenção era “desencadear de imediato uma ação psicológica sobre a esposa de Luiz Paulo Machado, Elaine Cintra Machado, com base na “carta-repúdio”.

Fotógrafo que trabalhou na revista Placar, pela qual fez a clássica foto de Pelé com uma mancha de suor em formato de coração, depois da partida contra o México, em 1970, no Maracanã, e no jornal O Globo, Luiz Paulo Machado vinha sendo monitorado pelo regime, assim como dezenas de jornalistas ligados ao PCB. No fim da década de 1960 e início dos anos 1970, estudou marxismo e leninismo em Moscou, na escola de formação da Liga Leninista da Juventude, o Komsomol, onde fez amigos de militância a quem depois ofereceu refúgio na casa de seu pai, o comandante Paulo Santana Machado, no Rio.

Machado foi solto mais tarde por falta de provas, por intervenção do então presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) Prudente de Moraes Neto. Procurado por CartaCapital, Machado explicou que prefere não falar sobre esse período de sua vida.

Discurso. Líder ecumênico metodista e coordenador do Grupo de Trabalho da Comissão Nacional da Verdade que investiga o papel das igrejas durante a ditadura, Anivaldo Padilha reconhece que a figura de dom Eugênio é controversa: além de ter atuado a mando dos militares, chegou a negar ajuda a militantes, inclusive os católicos. “Dos pronunciamentos dele, não me lembro de nenhum explicitamente apoiando a ditadura, mas lembro de muitos outros criticando setores de oposição, especialmente a esquerda.”

Da mesma visão compartilha dom Angélico, bispo auxiliar do cardeal dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo cuja trajetória foi marcada pela proteção aos militantes e que, inclusive, mais de uma vez esteve com o então ministro-chefe da Casa Civil, Golbery do Couto e Silva, para lhe entregar listas com nomes de desaparecidos. “Do que conheço a respeito da atuação do cardeal dom Eugênio, a não ser em casos isolados, ele realmente não se confrontou com a ditadura”, avalia.

Não são poucos os casos nos quais dom Eugênio foi chamado a ajudar e a fazer frente ao regime militar e não deu ouvidos. Um dos mais famosos é o da estilista Zuzu Angel, cujo filho Stuart foi torturado e morto pelo Serviço de Inteligência da Aeronáutica. Ao procurar dom Eugênio, bateu com a cara na porta. Sua filha, a colunista social Hildegard Angel, em mais de uma ocasião disse que o cardeal “fechou os olhos às maldades cometidas durante a ditadura, fechando seus ouvidos e os portões do Sumaré aos familiares dos jovens ditos ‘subversivos’ que lá iam levar suas súplicas, como fez com minha mãe”.

A omissão, o silêncio e a compra das versões dadas pelos militares para acobertar torturas e mortes nas prisões por dom Eugênio acabavam sendo respaldados pela mídia, com quem o cardeal mantinha ótimas relações – vale lembrar que ele escrevia artigos para O Globo e Jornal do Brasil com certa regularidade.

Em audiência da CNV no Rio, ex-presos políticos destacaram a postura ambígua de certos setores da Igreja durante o regime militar. Atuante no movimento social da Igreja Católica, a pernambucana Maria Aída Bezerra procurou o então arcebispo do Rio para ajudar a amiga Letícia Cotrim, que estava detida. “A conversa não foi boa. Não deu certo. Ele não acreditava que a comunidade cristã dele estava sendo perseguida e não quis intervir. Ele nos considerava subversivos e era contra cristãos de esquerda”, declarou em seu depoimento na sessão do dia 17 de setembro.

A proximidade com a ditadura passava também por uma forte amizade com Antonio Carlos Magalhães, governador da Bahia e pessoa de muita influência durante o regime. Uma amizade que chegava ao ponto de os dois serem vistos, mais de uma vez, tomando banho de mar juntos.

O cardeal, naturalmente, tem seus defensores, que negam as acusações e dizem que dom Eugênio prestou ajuda a militantes refugiados de países do Cone Sul. A ajuda tinha como base uma parceria com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), que fornecia a verba a ser administrada pela Cáritas. Além do aluguel pago aos militantes, a Igreja Metodista oferecia no Colégio Bennett, na zona sul do Rio, um espaço de aulas para os filhos dos refugiados, enquanto esperavam pelo asilo político. Mas o asilo a refugiados, explica o bispo emérito da Igreja Presbiteriana, Paulo Ayres, deu-se mais por uma questão política do que ideológica. “Ele foi procurado pelo Alto-Comissariado da ONU para que o Brasil servisse como uma passagem para eles. Esse apoio aos militantes foi institucional”, lembra Ayres. “Não há dúvida de que dom Eugênio esteve muito mais próximo do governo militar do que dos católicos favoráveis à resistência.”

Assessor de imprensa de dom Eugênio por mais de 40 anos, Adionel Carlos da Cunha discorda. “Desconheço completamente qualquer ação do dom Eugênio nesse sentido (de colaboração com os militares). Pelo contrário, a ação dele foi de conseguir salvar mais de 5 mil militantes”, conta.

Trajetória. Um dos nomes cogitados para suceder ao papa João Paulo I, em 1978, o arcebispo nascido em Acari, no Rio Grande do Norte, em 8 de novembro de 1920, foi próximo do Vaticano como nenhum outro cardeal brasileiro. Ao longo de seus quase 60 anos de episcopado e mais de 40 de cardinalato, nomeou 22 bispos e 215 padres. Sempre foi um ferrenho opositor à Teologia da Libertação.

Para dom Angélico, a posição de dom Eugênio era clara: “Não era uma postura dúbia. Basta analisar historicamente”, disse, ao lembrar que a ditadura foi construída pelas “classes conservadoras, os grandes interesses econômicos e o apoio da CIA”. “Vivíamos em meio à polarização indevida entre o mundo livre e o mundo comunista. E muitos na Igreja temiam essa onda comunista.”

http://www.cartacapital.com.br/revista/770/dom-eugenio-agente-duplo-6767.html?fb_action_ids=3481139043232&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline&action_object_map=%7B%223481139043232%22%3A229105533918757%7D&action_type_map=%7B%223481139043232%22%3A%22og.recommends%22%7D&action_ref_map=%5B%5DDom Eugênio Sales, grande nome da Igreja Católica no Brasil era agente duplo da ditadura
Documentos inéditos provam a colaboração do primaz com a ditadura.

Em 1976, sob a égide do Ato Institucional nº 5 e cercada por denúncias de torturas, prisões, desaparecimentos e mortes de presos políticos, como a do jornalista Vladimir Herzog, a ditadura começava a ruir em meio à transição “lenta, gradual e segura” anunciada pelo general Ernesto Geisel. A Igreja Católica, por meio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cobrava do governo informações e esclarecimentos sobre os abusos e condenava o caráter arbitrário do regime militar.

Acuados, os generais buscavam minar o ímpeto das lideranças católicas dentro da própria CNBB. Contaram, para isso, com uma das figuras mais influentes do clero: o cardeal e então arcebispo do Rio de Janeiro, dom Eugênio Salles. É o que revelam documentos oficiais obtidos por CartaCapital junto ao Arquivo Nacional em Brasília. Em relatório de 14 de março de 1976, o I Exército do Rio de Janeiro relata ao Serviço Nacional de Informações (SNI) como o cardeal conseguiu conter os esforços da própria CNBB de lançar uma campanha contra a repressão. Ao se referir ao “clero católico”, o documento dizia: “A CNBB pretendia fazer declarações sobre as atuais prisões, envolvendo elementos do PCB, no RJ/RJ. Dom Eugênio Salles conseguiu esvaziar o movimento da CNBB. Irah a Roma ET, no seu retorno ao país, farah declarações favoráveis”.

A evidência fica clara em outro documento do SNI, também parte do acervo do Arquivo Nacional. A carta da CNBB, endereçada ao general Ernesto Geisel em 24 de setembro de 1975, pedia esclarecimentos sobre o paradeiro de presos políticos. Preocupada em obter esclarecimentos “alviçareiros ou trágicos, mas definitivos” sobre casos de militantes desaparecidos, a entidade dizia ao então ditador: “Permanece, no entanto, um determinado número de desaparecimentos para os quais ainda não se obteve informações satisfatórias. (...) Até esta data, no entanto, os esclarecimentos não foram satisfatórios. Isto é motivo de desespero para as famílias dos desaparecidos e de angústia para nós pastores”. O então presidente da CNBB, Aloísio Lorscheider, termina a carta com uma súplica: “Gostaríamos de receber melhores esclarecimentos, bem como qualquer retificação, sobre imprecisão dos dados ou fatos aí contidos”.

Diante da pressão, os militares usavam dom Eugênio – arcebispo primaz do Brasil desde 1968 – como uma espécie de garoto de recados, de acordo com o documento do I Exército do Rio de Janeiro ao SNI, de 1976. À época da prisão de jornalistas ligados ao PCB, como Oscar Maurício de Lima Azêdo e Luiz Paulo Machado, foram coletados depoimentos de outros profissionais de imprensa, como Fichel Davit Chargel e Ancelmo Gois, por meio dos quais seriam reveladas operações do PCB no Rio. Com tais informações nas mãos, os militares pressionaram o fotógrafo Luiz Paulo Machado para que redigisse uma carta de repúdio ao comunismo, a fim de demonstrar arrependimento pela militância. A existência da carta de próprio punho, ressalta o documento oficial, era para ser mantida sob “alta compartimentação” (sigilo).

Apesar da carta escrita na madrugada de 13 para 14 de março, os militares queriam mais. Pediram, como relata o documento da Operação Grande-Rio – que visava “buscar intimidar ou desencorajar livre manifestação subversiva VG especialmente por meio de prisões de subversivos selecionadas por suas atuações destacadas” –, que dom Eugênio conversasse com a mulher do fotógrafo, Elaine Cintra Machado, para sugerir procurar o comandante do I Exército e obter informações sobre o detido. Era de extrema importância, no entanto, que o arcebispo deixasse transparecer o mínimo sobre a relação próxima que tinha com os militares. “Dom Eugênio Salles, por solicitação do CMT do I EX, fazendo transparecer ser iniciativa sua, aconselhou a Elaine que procurasse o CMT do I EX, dando a crer, também que soh o Exército poderia cooperar com ela.”

O objetivo seria pressioná-la, a fim de conseguir “o apoio ET a cooperação de Elaine”, como sugere o relatório sobre os procedimentos a serem tomados com a militante denunciada pelo marido como “responsável pelo movimento financeiro do PCB, no RJ”. A intenção era “desencadear de imediato uma ação psicológica sobre a esposa de Luiz Paulo Machado, Elaine Cintra Machado, com base na “carta-repúdio”.

Fotógrafo que trabalhou na revista Placar, pela qual fez a clássica foto de Pelé com uma mancha de suor em formato de coração, depois da partida contra o México, em 1970, no Maracanã, e no jornal O Globo, Luiz Paulo Machado vinha sendo monitorado pelo regime, assim como dezenas de jornalistas ligados ao PCB. No fim da década de 1960 e início dos anos 1970, estudou marxismo e leninismo em Moscou, na escola de formação da Liga Leninista da Juventude, o Komsomol, onde fez amigos de militância a quem depois ofereceu refúgio na casa de seu pai, o comandante Paulo Santana Machado, no Rio.

Machado foi solto mais tarde por falta de provas, por intervenção do então presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) Prudente de Moraes Neto. Procurado por CartaCapital, Machado explicou que prefere não falar sobre esse período de sua vida.

Discurso. Líder ecumênico metodista e coordenador do Grupo de Trabalho da Comissão Nacional da Verdade que investiga o papel das igrejas durante a ditadura, Anivaldo Padilha reconhece que a figura de dom Eugênio é controversa: além de ter atuado a mando dos militares, chegou a negar ajuda a militantes, inclusive os católicos. “Dos pronunciamentos dele, não me lembro de nenhum explicitamente apoiando a ditadura, mas lembro de muitos outros criticando setores de oposição, especialmente a esquerda.”

Da mesma visão compartilha dom Angélico, bispo auxiliar do cardeal dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo cuja trajetória foi marcada pela proteção aos militantes e que, inclusive, mais de uma vez esteve com o então ministro-chefe da Casa Civil, Golbery do Couto e Silva, para lhe entregar listas com nomes de desaparecidos. “Do que conheço a respeito da atuação do cardeal dom Eugênio, a não ser em casos isolados, ele realmente não se confrontou com a ditadura”, avalia.

Não são poucos os casos nos quais dom Eugênio foi chamado a ajudar e a fazer frente ao regime militar e não deu ouvidos. Um dos mais famosos é o da estilista Zuzu Angel, cujo filho Stuart foi torturado e morto pelo Serviço de Inteligência da Aeronáutica. Ao procurar dom Eugênio, bateu com a cara na porta. Sua filha, a colunista social Hildegard Angel, em mais de uma ocasião disse que o cardeal “fechou os olhos às maldades cometidas durante a ditadura, fechando seus ouvidos e os portões do Sumaré aos familiares dos jovens ditos ‘subversivos’ que lá iam levar suas súplicas, como fez com minha mãe”.

A omissão, o silêncio e a compra das versões dadas pelos militares para acobertar torturas e mortes nas prisões por dom Eugênio acabavam sendo respaldados pela mídia, com quem o cardeal mantinha ótimas relações – vale lembrar que ele escrevia artigos para O Globo e Jornal do Brasil com certa regularidade.

Em audiência da CNV no Rio, ex-presos políticos destacaram a postura ambígua de certos setores da Igreja durante o regime militar. Atuante no movimento social da Igreja Católica, a pernambucana Maria Aída Bezerra procurou o então arcebispo do Rio para ajudar a amiga Letícia Cotrim, que estava detida. “A conversa não foi boa. Não deu certo. Ele não acreditava que a comunidade cristã dele estava sendo perseguida e não quis intervir. Ele nos considerava subversivos e era contra cristãos de esquerda”, declarou em seu depoimento na sessão do dia 17 de setembro.

A proximidade com a ditadura passava também por uma forte amizade com Antonio Carlos Magalhães, governador da Bahia e pessoa de muita influência durante o regime. Uma amizade que chegava ao ponto de os dois serem vistos, mais de uma vez, tomando banho de mar juntos.

O cardeal, naturalmente, tem seus defensores, que negam as acusações e dizem que dom Eugênio prestou ajuda a militantes refugiados de países do Cone Sul. A ajuda tinha como base uma parceria com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), que fornecia a verba a ser administrada pela Cáritas. Além do aluguel pago aos militantes, a Igreja Metodista oferecia no Colégio Bennett, na zona sul do Rio, um espaço de aulas para os filhos dos refugiados, enquanto esperavam pelo asilo político. Mas o asilo a refugiados, explica o bispo emérito da Igreja Presbiteriana, Paulo Ayres, deu-se mais por uma questão política do que ideológica. “Ele foi procurado pelo Alto-Comissariado da ONU para que o Brasil servisse como uma passagem para eles. Esse apoio aos militantes foi institucional”, lembra Ayres. “Não há dúvida de que dom Eugênio esteve muito mais próximo do governo militar do que dos católicos favoráveis à resistência.”

Assessor de imprensa de dom Eugênio por mais de 40 anos, Adionel Carlos da Cunha discorda. “Desconheço completamente qualquer ação do dom Eugênio nesse sentido (de colaboração com os militares). Pelo contrário, a ação dele foi de conseguir salvar mais de 5 mil militantes”, conta.

Trajetória. Um dos nomes cogitados para suceder ao papa João Paulo I, em 1978, o arcebispo nascido em Acari, no Rio Grande do Norte, em 8 de novembro de 1920, foi próximo do Vaticano como nenhum outro cardeal brasileiro. Ao longo de seus quase 60 anos de episcopado e mais de 40 de cardinalato, nomeou 22 bispos e 215 padres. Sempre foi um ferrenho opositor à Teologia da Libertação.

Para dom Angélico, a posição de dom Eugênio era clara: “Não era uma postura dúbia. Basta analisar historicamente”, disse, ao lembrar que a ditadura foi construída pelas “classes conservadoras, os grandes interesses econômicos e o apoio da CIA”. “Vivíamos em meio à polarização indevida entre o mundo livre e o mundo comunista. E muitos na Igreja temiam essa onda comunista.”



FONTE: http://www.cartacapital.com.br/revista/770/dom-eugenio-agente-duplo-6767.html?fb_action_ids=3481139043232&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline&action_object_map=%7B%223481139043232%22%3A229105533918757%7D&action_type_map=%7B%223481139043232%22%3A%22og.recommends%22%7D&action_ref_map=%5B%5D

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O FENÔMENO DAS “COCA-COLAS” EM FORTALEZA DURANTE A SEGUNDA GUERRA

E os americanos vão desembarcando com seus produtos. Propaganda da Coca-Cola utilizando o Rio de Janeiro como cenário
Propaganda da Coca-Cola utilizando o Rio de Janeiro como cenário
Em meados de 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, surgiu um fenômeno feminino na cidade de fortaleza chamado de “Coca-colas”. Eram moças jovens de famílias tradicionais, onde tinha de tudo na vida, mas não tinha o principal, agitação. A maioria dessas jovens estavam cansadas da monotonia da cidade, estavam cansadas de ver as mesmas caras, cansadas de ficar na mesma pracinha no centro e etc…
Com a chegada dos americanos para fazer o patrulhamentos das nossas costas e também para montar as bases aéreas onde se dava suporte as aeronaves que atravessavam o Atlântico, tudo mudou para essas moças e muitas delas se acharam a vontade com a situação e iam para as festas no Estoril e em outras casas de dança para fazer companhias aos visitantes.
Na Fortaleza dos anos 40 a população era de apenas 10% da atual, e não se tinha muito para fazer na cidade na época, e com a chegada dos americanos, se abriu um leque de possibilidades para as jovens. Muitas seriam taxadas de prostitutas, até mesmo após a guerra as lindas mulheres com seus vestidos curtos e saltos altos, passeavam pela cidade e as senhoras de mais idade as ofendiam e maltratavam, mas os homens ficavam de queixo caído com o desfile das beldades.
Sabemos que junto das guerras surgem muitas tragédias de inúmeras espécies, uma dessas tragédias é a prostituição, onde na maioria das vezes as mulheres se vendem por comida, mas em Fortaleza não foi esse o caso, pois a guerra em si não chegou ao Brasil, a não ser pelos ataques aos navios mercantes em alto mar e a paralisação de produtos vindo da Europa. Mas para as jovens era tudo que precisavam, os americanos com suas caras novas e sua alegria, trouxe festas e movimentação a cidade, e conseguiram tirar mudar a rotina das moças. Muitas moças namoravam os soldados, algumas os cadetes e tinha também outras que namoram os oficiais.
Esse apelido surgiu devido o próprio refrigerante muito consumido pelos americanos na cidade, e que hoje ainda todos nós consumimos.
 
Postagem original: Ecos da Segunda Guerra / http://lavecchiahistoria.blogspot.com.br/2013/10/o-fenomeno-das-coca-colas-em-fortaleza.html (Do nosso dileto amigo Ricardo Lavecchia, de São Paulo)
Copiado de http://tokdehistoria.wordpress.com/

As técnicas agrícolas do povo Jandui.

A nação indígena janduis, família gês, grupo tapuias, habitava o vale do rio Açu e de seus afluentes no RN, desde a microrregião Seridó PB/RN até a foz do Açu em Macau-RN. O janduí, que significa ema pequena, seriema, era um povo de pele clara se comparada à pele dos outros índios, inclusive no RN. A designação “tapuia” ou bárbaros era comum a todos os índios do interior das capitanias PE/PB/RN/CE, e provavelmente sem laços sanguíneos. Durante o Brasil Holandês de 1.630 a 1.654 A Companhia das Índias (holandesa) ocupou a zona da mata e litoral desde o atual Estado de Sergipe até o Estado da Paraíba, região açucareira que o Conde Nassau incentivou e promoveu o desenvolvimento dos engenhos de açúcar, aguardente, mel, rapadura, mas para manter a demanda alimentar da população da sua Mauricea (Recife), João Maurício de Nassau Sigien precisava de muita carne bovina que sua possessão não tinha; a zona da mata, pelas próprias e exclusivas condições climáticas e de solo (no NE) não é favorável à pecuária (é ideal para a criação de búfalos). Na época o maior rebanho bovino do Brasil estava na Capitania do RN, exatamente no sertão, aonde os colonos, fazendeiros, viviam harmonicamente com os Janduis. Em 1634, Nassau designou o alemão judeu Jacob Rabbi para ocupar a capitania do RN, que tinha alguns engenhos de produção de açúcar (limitação imposta pela pequena zona da mata RN com pouco mais de 2.000km²) e estava praticamente abandonada pelo seu donatário português, mas a maior preocupação de Nassau era a amizade com o rei Jandui, chefe dos janduis que era amigo dos (poucos) fazendeiros da área, mas inimigo do governo português desde o RN a PE. Rabbi viveu muitos anos com os janduis aprendendo sua língua, seus costumes, mas ensinando-lhes muitas coisas, e foi capaz de comandá-los em vários motins, crimes, invasões, guerras no sertão. A amizade do Conde Nassau com Jandui era tão grande que a bandeira da Companhia das índias tinha 4 capitanias representadas pela produção de açúcar, uva, café, mas tinha também o símbolo da capitania do RN representada por uma seriema – jandui. Na História do Brasil Holandês, de Câmara Cascudo, há registro de que Jandui viajava, à cavalo, pelo sertão, de Açu até a cidade Mauricea, onde era recebido por Nassau com toda pompa. Os janduis participaram de muitas batalhas contra os portugueses e certamente a batalha dos Guararapes 1648/49 teria outro desfecho se os holandeses ainda contassem com os guerreiros janduis (O conde Nassau já tinha ido embora e o rei jandui tinha morrido). Em 1688 o bandeirante Domingos Jorge Velho empreendeu combate contra os janduis e o máximo que conseguiu foi dispersá-los pelos sertões, e hoje 40% do norte riograndense (interior do RN) tem sangue jandui. O rei jandui foi substituído pelo rei Canindé. No Município de Açu existe o maior reservatório natural de água do sertão RN (e provavelmente sertão do NE) – a lagoa do Piató, que suportava anos seguidos de pouca chuva, sem secar, onde o rei Jandui ficava a maior parte do tempo. Naquele tempo o rio Açu era abastecido por muitos brejos de altitudes e permanecia com um filete de água corrente no verão de até 10 meses (sem chuvas) e muitos poços cavados pelas enxurradas na areia do leito do rio, mas água salobra ruim para se beber e imprópria para as plantas. Já na lagoa de Piató a água era doce e relativamente abundante para a agricultura (vazante); Vários olhos d água abasteciam essa lagoa. Nas secas da década de 40 (até 400L/m² de água das chuvas) as pessoas do sertão RN arribavam para junto da lagoa do Piató, o que aconteceu com os meus pais de 1941 a 1943, anos considerado seco, aonde EU nasci em 1943. Embora não esteja (ainda) registrada na história, foi encontrado junto à lagoa, e confirmada pelos antigos descendentes dos tapuias (meus bisavós maternos, por exemplo) contados de pais para filhos, a existência de um sistema de irrigação, do tempo dos janduis, não conhecido no Brasil de então, que consiste na construção de jarras de argila queimada, potes de barros como se fala por aqui. O preparo do barro é feito colocando-se certa porcentagem de areia grossa com a finalidade de que o pote verta água pela porosidade grossa do corpo; No verão, sem chuvas, retira-se a água doce da lagoa do Piató e deposita-se nos potes, no chão, na área do roçado, com os potes distanciados 2 ou 3 metros entre si, plantando-se junto (digamos um metro) do pote (e ao redor) lavouras como feijão, batata doce, mandioca que produziam perfeitamente com a umidade do chão, mantida pela água vertida nas porosidades dos potes de barro. Essa técnica agrícola provavelmente foi transmitida aos janduis no contato com os holandeses que não eram agricultores, mas entendiam tudo de armazenamento e distribuição de água. Na Companhia das índias tinha gente de vários países europeus. Uma coisa temos certeza; não é uma idéia portuguesa.

Outra técnica agrícola era desenvolvida na plantação de feijão e batata doce na areia do rio Açu. Como se sabe a areia do rio é areia lavada, desprovida de minerais, mas como a areia do leito do rio está sobre a rocha matriz, impermeável à água, têm-se, durante o verão, muita água proveniente das chuvas armazenada na areia, lençóis freáticos. A camada de areia lavada no leito do rio Açu pode chegar a 10 metros de espessura. Para fazer sua lavoura no rio (ainda hoje é assim) do sertão colocavam-se em cada cova da plantação 10 litros de estrume de animais. Os janduis não criavam gado e quase sempre conseguiam estrume com os fazendeiros portugueses do sertão RN, mas quando os janduis estavam em guerra com os civilizados da área o estrume da plantação tinha de ser próprio: todo mundo fazia suas necessidades fisiológicas no mesmo local para ter material para fertilizar a areia do rio e assim poder plantar lavoura no verão. Segundo relato dos mais velhos a melhor produção acontecia com estrume humano. Hoje se faz a plantação de feijão e batata doce na areia dos rios do sertão colocando-se estrume de gado bovino, ovino, galinha, caprino, masa água nos lençóis da areia dos rios está secando, não só pela redução na oferta de chuvas (do ano 2000 para o ano 2009 a oferta de chuvas foi boa), mas também por que aumentou a procura por essa água, ação das intempéries. Consequentemente a água ficou mais salgada.

A principal causa da salinização da água nos rios do sertão não é terreno cristalino, não é cloreto de sódio, mas sim nitrato de sódio, salitre, abundante no terreno argiloso (mas não no terreno arenoso) das várzeas dos rios, lembrando que nitrato de sódio é ácido nítrico, formado na atmosfera (e trazido para o chão pelo ar e pela água das chuvas) por agentes poluentes gerados nas atividades do homem na litosfera, mais o sódio que se tornou abundante no sertão com a eliminação, com fogo, da vegetação, principalmente nas várzeas dos rios que tinha vegetação exuberante, de grande porte.

Obs.: a correção do salitre ácido nitrato de sódio pode ser feita com carbonato de cálcio (álcali).

No RN existiu outra tribo famosa no Século XVII, Estamos nos referindo aos potiguares que ocupava o litoral e zona da mata de Canguaretama a Touros. Potiguar significa comedores de camarões. Potiguar é quem nasce na Grande Natal. O chefe dos potiguares, o Poti, foi batizado na Espanha com o nome de Antônio Felipe Camarão. Foi nomeado pelo Rei Espanhol (dominou o Brasil de 1580 a 1640) Governador dos índios do Brasil com seu palácio em Meretiba, hoje municípios de Paudalho e Camaragibe-PE. Poti nasceu e viveu até adolescente no bairro que tem o seu nome Felipe Camarão, em Natal. Por volta de 1628 foi para Olinda-PE; Com seus bravos guerreiros potiguares (e outros índios do NE) combateu os holandeses em PE. Por ser amiga dos portugueses a tribo potiguar era inimiga dos janduis, mas há registro da participação dos potiguares e janduis, juntos, em dois crimes bárbaros em engenhos da zona da mata - RN, inclusive a morte de várias pessoas durante uma missa em uma capela, crime de cunho religioso, já que os holandeses eram protestantes e havia muitos judeus entre os integrantes do Brasil holandês. Para os índios não havia diferença em se adorar o Sol, a lua ou um deus desconhecido.

Os Janduis são a tribo indígena brasileira mais retratada (desenho) e historiada por autores de nações e línguas diferentes, provavelmente por sua liberdade arredia, irresponsável, mas também por ter a chance de conviver com culturas e povos tão diferentes.

Esta pequena pesquisa sobre a Nação Janduis foi facilitada pela existência de muitas fontes literárias que tratam do assunto, mas particularmente porque nas minhas veias corre sangue janduí.

RNNEBR, Jan 2002.

Por Damião Severino de Medeiros.
Em http://medeirosjacauna.blogspot.com.br/2012_06_01_archive.html