quinta-feira, 26 de abril de 2012

O BARLEAUS ESTÁ DE VOLTA


FINALMENTE O BARLAEUS RETORNA AO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE.


O livro escrito em 1647 pelo historiador e teólogo holandês Gaspar Von Barlaeos retrata o nordeste do Brasil durante a ocupação holandesa, com foco principal na cidade de Olinda. Gasper Von Barleus foi quem cunhou, em 1660, ao escrever Rerum per octennium in Brasilien, a expressão "ao sul da linha equinocial não se peca". Em português, ela se tornou conhecida e mesmo popular entre nós, depois que virou o primeiro verso de um dos maiores sucessos de Chico Buarque, na voz de Ney Matogrosso, utilizada como tema de novela da Globo: Não existe pecado do lado de baixo do Equador o autor depois de visitar o Brasil, registrou a frase num livro de viagens que escreveu, fazendo o seguinte comentário: “é como se a linha que divide o mundo separasse também a virtude do vício.

         O Presidente do I.H.G. R.N, Juramdyr Navarro, Gutemberg Costa e Ormuz Simonetti


FONTE: http://ormuzsimonetti.blogspot.com.br/2012/04/presidente-do-i.html

domingo, 15 de abril de 2012

Romanceiro Potiguar, de Deífilo Gurgel será lançado quarta-feira, 18 de abril


A Coleção Cultura Potiguar, que reúne os mais diversos temas da literatura norte-rio-grandense, da Secretaria Extraordinária de Cultura do RN e Fundação José Augusto (Secultrn/FJA) terá mais uma obra entre seus títulos. Dessa vez, uma das mais ilustres: O Romanceiro Potiguar, que será lançado na quarta-feira, 18 de abril, no Palácio Potengi – Pinacoteca do Estado, a partir das 19h.
O livro será adquirido ao preço de R$ 40. O Romanceiro Potiguar é uma obra inédita do folclorista e pesquisador, Deífilo Gurgel – falecido em fevereiro deste ano – fruto de uma pesquisa realizada entre as décadas de 1980 e 1990 e que reúne um dos mais ricos apanhados da oralidade dos romanceiros tanto de origem Ibérica, quanto brasileira. O livro conta com ilustrações do presidente do Conselho Estadual de Cultura, Iaperi Araújo.




FONTE: http://wsantacruz.com.br/

segunda-feira, 9 de abril de 2012

DIA 19 DE ABRIL: COMEMORAÇÕES DO DIA DO ÍNDIO NA ALDEIA KATU

No "Dia do Índio" (19 de abril), na comunidade indígena Catu dos Eleutérios, localizada entre os municípios de Canguaretama e Goianinha (litoral sul do Rio Grande do Norte), haverá comemoração.

Conversando com a presidenta da associação da comunidade, minha querida amiga Valda, fiquei sabendo da programação das atividades para o citado dia - programação que, em síntese, será a seguinte:

Pela manhã, das 8 às 11:

- Abertura das atividades na Aldeia Catu;
- Pai nosso na língua Guarany;
- Degustação de comidas e bebidas indígenas;
- Palestra sobre a história da comunidade;
- Sagrado Ritual do Toré.

À tarde, das 13 às 17 horas, haverá repetição das atividades matinais, para os visitantes que porventura não puderem comparecer na aldeia pela manhã.

Durante toda a semana (do dia 16 ao dia 20 de abril), na escola indígena da comunidade (a primeira escola indígena com educação diferenciada no Rio Grande do Norte), serão realizadas diversas exposições relativas à cultura indígena local e geral.

Participe deste grande evento! Conheça a cultura e o modo de vida dos Potiguara norte-rio-grandenses.

TODO APOIO À LUTA DOS POTIGUARA DA ALDEIA TRABANDA (BAÍA FORMOSA / RN)! NÃO PODEMOS DEIXAR QUE A ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA DESTRUA UMA ALDEIA COM QUASE 200 ANOS DE EXISTÊNCIA! FORA LATIFUNDIÁRIOS! FORA MISSIONÁRIOS INVASORES PROTESTANTES! FORA OPORTUNISTAS QUE QUEREM FAZER CARREIRA ÀS CUSTAS DA LUTA DE NOSSOS IRMÃOS INDÍGENAS!

VIVA TODOS OS CABOCLOS E CATIMBOZEIROS DE BOA VONTADE! VIVA OS GUERREIROS DE BOM CORAÇÃO QUE APOIAM AS LUTAS DOS POVOS AFRO-AMERÍNDIOS! VIVA TODOS OS MORUBIXABAS E PAJÉS GUERREIROS DE NOSSAS COMUNIDADES! VIVA CADA ÍNDIO, NEGRO E BRANCO QUE LUTA COM SINCERIDADE E SEM INTENÇÕES EGO-CAPITALISTAS!
 
FONTE: http://www.profangelico.blogspot.com.br/

segunda-feira, 2 de abril de 2012

A história do RN no mundo

O ameaçado legado dos mestres

Da Edição de domingo, 1 de abril de 2012 - Diário de Natal
Por Sérgio Vilar

Dizem que crescemos e os brinquedos apenas mudam de tamanho. Ou que os bem idosos voltam à idade infantil, carente de cuidados. Quando mestre Sérvulo pede pra brincar de novo, a brincadeira é coisa séria. É questão de preservação da memória dos mais antigos. E brincar de quebra-cabeça não ajuda, não. Quando se fala em mestre Sérvulo, o coração, a mente e o corpo ainda estão tinindo, mesmo aos 84 anos. Ele só quer perpetuar o folclore: o congo, o bambelô e o fandango de São Gonçalo do Amarante. Apesar de ainda escapulir aqui e acolá para uma farra, o nome hoje mais importante da cultura popular de São Gonçalo escapou de sérios problemas de saúde. E quando ele morrer será enterrado também os grupos comandados por ele.

Genuíno, o grupo de Boi de Reis da cidade foi uma das principais atrações do 47º Festival Nacional de Olímpia, em São Paulo, no ano passado. Foto: Lenilton Lima/Divulgação
Mestre Sérvulo é discípulo de uma linhagem de artistas populares riquíssimos à história cultural potiguar. O Cabocolinho de Ceará-Mirim, o Fandango e a Chegança de Canguaretama, a dança do Maneiro Pau de Portalegre e outras manifestações legítimas se juntam a uma gama preciosa e cada vez mais rara de folguedos remanescentes no Estado potiguar. Se o folclorista Deífilo Gurgel disse que o Rio Grande do Norte detém o folclore mais rico do Brasil, São Gonçalo é a cidade mais pungente nesse sentido. E se a romanceira Militana Salustino morreu assistida por uma pensão vitalícia da prefeitura e com a comenda máxima da cultura popular entregue pelo então presidente Lula, Sérvulo Teixeira pede apenas para brincar.

Mestre Dedé Veríssimo em frente à sede conquistada na raça. Foto: Carlos Santos/DN/D.A Press
"Nunca mais me chamaram para nada. Minha brincadeira está esquecida. E é só chamar que eu vou. Hoje o Congo e o Bambelô tão comigo. Mas faz tempo que ninguém se apresenta. E outra: num tem quem fique à frente. Boto meu sobrinho pra mestre do Congo, mas ele não sabe e é muito disperso. Quando eu morrer num tem quem tome conta". Sérvulo vive modestamente, como é de praxe a vida dos mestres do folclore potiguar. Recebe um salário mínimo pelo Funrural, pelo tempo de serviço na agricultura. Pelos mais de 70 anos dedicados ao folclore, apenas o reconhecimento de umou outro estudioso. E talvez padeça do mesmo fim do irmão, Lucas, mestre do Congo de Saiote de São Gonçalo, que morreu à míngua.

Congo sem saia

Sérvulo aprendeu com os primeiros mestres de que se tem notícia em São Gonçalo. Já aos 13 anos, estava enturmado com Pedro Guajiru, mestre do Boi de Reis e conhecedor nato das tradições populares. Sérvulo tentou montar um grupo de Chegança, na comunidade da Sombra, mas não vingou por falta de gente. Depois conheceu João Menino, a quem Deífilo Gurgel disse ter visto um "alumbramento" ou classificou como das apresentações mais bonitas que já viu em vida. Com João Menino, Sérvulo aprendeu as cantorias e passos do Congo de Saiote. Mas haveria um divisor de água na apresentação no Mercado da Cidade Alta, onde hoje funciona o Banco do Brasil, a convite do então prefeito Djalma Maranhão.

Benedita Nascimento pede um túmulo decente à mãe, Militana. Foto: Carlos Santos/DN/D.A Press
"A gente em cima do palco, se ajuntou estudante pra ver a gente. E você sabe que estudante é tudo sem vergonha, né? Eles tudo rente ao palanque. Aí nós lá se apresentando e quando viram queJoão Mãozinha tava sem cueca, tiraram o coro dele". Pouco depois do episódio, mestre João Menino morreria. "O Congo de Saiote passou um a dois anos parado, aí eu assumi e num quis mais esse negócio de saiote não. Doutor Deífilo aconselhou eu permanecer, mas num quis não. Muitos, principalmente os meninos, não queriam vestir. E já pensou homem ir brincar de saia?". Sérvulo desvirtuou, de certa forma, a tradição e passou a brincar o Congo com calçola. E nisso se vão quatro décadas.

Fandango

O Fandango, Sérvulo aprendeu com outro ícone da cultura popular sãogonçalense: mestre Atanásio Salustino, pai de Dona Militana. Hoje, o Fandango de São Gonçalo é o folguedo mais ameaçado. Está parado há anos. E só quem conhece as jornadas que dão ritmo à dança é mestre Sérvulo e João Viana, ambos já idosos e de saúde comprometida. O grupo Bambelô da Alegria é cria do próprio mestre Sérvulo, que aprendeu com Antônio Basílio, que brincava informalmente pelos redores do distrito de Santo Antônio do Barreiro, onde Sérvulo morahoje. "Ele nunca formou grupo. Aí tive a ideia de juntar e começar a brincar. Já faz 24 anos", lembra o mestre, orgulhoso.

300 anos de tradição

São Gonçalo do Amarante tem pouco mais de 300 anos de história. É provável que Sérvulo Teixeira seja de uma segunda geração de mestres brincantes do folclore. Pedro Guajiru, João Menino e Atanásio Salustino ensinaram a arte dos folguedos a seus discípulos. Poucos estão vivos. Poucos souberam aprender. E poucos são os jovens interessados em repassar o aprendizado.

Mestre Sérvulo Teixeira: fandango é o folguedo mais ameaçado. Foto: Carlos Santos/DN/D.A Press
A exceção é o Boi de Reis do mestre Dedé Veríssimo, 64. Apesar do pouco caso do poder público, o grupo se mantém ativo e cheio de jovens entusiasmados com o folguedo - um dos mais tradicionais do Rio Grande do Norte, já com 105 anos de tradição. Mestre Dedé também aprendeu com Pedro Guajiru aos 13 anos, que por sua vez herdou o Boi do mestre Atanásio.

Seu Dedé diz que mestre Atanásio aprendeu o Boi no oiteiro. Foi lá também onde Dona Militana ouvia os romances cantados pelo pai e se tornou a maior romanceira do Brasil. João Menino herdou o mesmo Boi de Pedro Guajiru, quando assistia o folguedo no Sítio Breu - considerado hoje o berço da cultura popular são gonçalense. Neste Boi ele brincou de dama, galante, birico e todas as "patentes" até chegar ao comando, já há 30 anos.

Herança

"Quando Pedro Guajiru morreu, se passaram seis anos e ninguém quis o Boi; nem mesmo os filhos dele. Então eu peguei. Os mais idosos se afastaram e hoje estou com uma equipe nova, de 10, 12, 17 anos. E não fazemos feio em canto nenhum. Somos até motivo de orgulho ao Estado, admirados por aonde a gente vai". O Boi de Dedé Veríssimo e o Pastoril de Dona Joaquina são os dois grupos de São Gonçalo mais itinerantes e colecionadores de elogios.

Grupos podem desaparecer

Ainda assim, uma reclamação comum entre os mestres Sérvulo e Dedé é o apoio da prefeitura aos grupos mais novos em detrimento aos tradicionais. Estudioso do folclore são gonçalense, Lenilton Lima diz que estes grupos novos integram a fundação cultural do município. "Veja que os dois reclamam da mesma coisa. E eles precisam. A história mostra isso. Quando não têm incentivos, os grupos morrem mais cedo ou mais tarde".

Lenilton disse ainda ter presenciado uma homenagem a mestre Dedé em Zabelê, na Paraíba, "a coisa mais linda do mundo, e que nem de longe ele viu igual em sua terra. E o estudioso no folclore, Emílson Medeiros, disse nunca ter visto Boi tão bonito quanto esse". E completa: "O pastoril de Dona Joaquina também é elogiado. O Congo e o Bambelô de mestre Sérvulo, se tivesse oportunidade de viajar, também seria".

O grupo de Dedé Veríssimo foi a Recife em cansativa viagem de microônibus em regime de "bate e volta", se apresentou, recebeu elogios e o cachê prometido não veio. "Não foi a prefeitura daqui, mas ela intermediou e poderia resolver o problema. É um desrespeito constante", lamenta o mestre. A sede do grupo foi conseguida com os R$ 10 mil do edital do Ministério da Cultura. "Outros gastaram de outra forma; eu comprei a sede. E hoje somos dos poucos grupos com sede para ensaiar", se orgulha.

Enterro sem romance

O descaso com os mestres da cultura popular em São Gonçalo também recaiu sobre Militana Salustino. A romanceira morreu aos 84 anos. Passou anos desassistida de tudo, menos dos olhares do folclorista Deífilo Gurgel, que a descobriu e colheu material suficiente para lhe dar a notoriedade merecida, inclusive com gravação de CD triplo pelo projeto Nação Potiguar. No fim da vida, a prefeitura de São Gonçalo concedeu pensão vitalícia à romanceira, de R$ 1,5 mil. Mas durou apenas sete meses, até sua morte. E já no fim da vida, o dinheiro serviu mesmo para pagar a série de exames, plano de saúde e internações que a romanceira se submeteu no período.

A filha, Benedita Nascimento, 51, lamentou que sequero enterro merecido ela teve. "Se a pensão durasse mais dois meses teríamos condição de dar a ela um túmulo mais condizente com a pessoa que ela foi". E trouxe à tona uma reclamação no mínimo estranha: "Quando íamos pegar recebíamos R$ 1,3 mil, às vezes R$ 1,4 mil. Nunca entendi esse desconto". Ainda assim elogiou a iniciativa municipal e lembrava das idas ao Hospital Santa Catarina, na Zona Norte de Natal quando o quadro de saúde se agravava. "Tinha de pagar táxi duas a três vezes na semana e saía muito caro pra gente. Ajudou. Mas já que o prefeito prometeu um banheiro no quarto dela e não fez, podia dar um túmulo de vergonha".

Fórum tracará panorama cultural de SGA

Com o tema Construindo Uma Política Publica de Cultura, o Fórum Municipal de Cultura chega à terceira edição no dia 13 de abril, no Teatro Municipal Poti Cavalcanti (Rua Alexandre Cavalcanti), das 8h às 17h. O evento é aberto à sociedade, com entrada franca, e tem a promoção e coordenação do Grupo PeduBreu e a da República das Artes. Segundo Lenilton Lima, que integra a comissão executiva, o principal objetivo é subsidiar as discussões e princípios para a elaboração, consolidação e fortalecimento do Plano Municipal, Conselho Municipal de Política Cultural e Fundo Municipal de incentivo a cultura. "O fórum quer trazer políticas públicas e que a prefeitura some. Não queremos embate", frisou.

Segundo ele, Dona Militana levou o nome de São Gonçalo ao conhecimento nacional e outros grupos e mestres podem representar a cidade, que pode ser uma referência, caso haja uma parceria. "Os gestores que estão por vir precisam ver a cultura com outros olhos. Precisam valorizar os grupos, a memória, a resistência. Não existepolítica de cultura para São Gonçalo, que tem tanto potencial de servir de espelho para outras cidades", destacou.

Nesta nova edição, o Fórum Municipal terá como intuito avaliar as diretrizes traçadas no 1° e 2° Fórum (2005 e 2010), como também na primeira Conferência de Cultura em 2010. Dentro destas propostas e novas metas para o desenvolvimento Político Cultural em São Gonçalo, será solicitado à gestão municipal a assinatura do Acordo de Cooperação Federativa do Sistema Nacional de Cultura (SNC), assumindo o compromisso de criar e implantar, até 31 de dezembro de 2012, pelo menos cinco componentes básicos: Secretaria de Cultura ou órgão equivalente, Conselho Municipal de Política Cultural, Conferência Municipal de Cultura, Plano Municipal de Cultura e Sistema Municipal de Financiamento da Cultura.

Fortalecimento

"Estes instrumentos fortaleceram institucionalmente as políticas culturais da União, Estados e Municípios tendo em sua estrutura básica a participação da sociedade civil articulada na garantia dedireitos culturais, conforme estabelece a Constituição Brasileira de 1988", explica Lenilton. Durante o Fórum serão realizadas apresentações culturais, por artistas do município, e haverá ainda um espaço para exposições fotográficas. 
 
FONTE: http://www.diariodenatal.com.br/2012/04/01/muito1_0.php