quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Câmara Cascudo monarquista

Luiz da Câmara Cascudo com algumas ordens culturais recebidas durante sua vida. Foto: acervo Instituto Tavares de Lyra.

Com a abertura de o arquivo epistolar do escritor Luiz da Câmara Cascudo aos pesquisadores, tive a felicidade de ser o primeiro a consultar tão importante acervo, composto de 27.000 cartas.
Na era dos e-mails, o suporte físico para as correspondências desapareceu. Na contracorrente, a carta ganha status de objeto de valor, justamente pela nostalgia dos elementos que já não existem mais, como a caligrafia, o timbre, os desenhos.
Dentre as inúmeras missivas recebidas pelo escritor, me detive sobre vinte e duas correspondências, entre cartas, bilhetes e cartões de felicitações. Os remetentes são Dom Pedro de Orleans e Bragança, Príncipe do Grão-Pará, primogênito da Princesa Isabel do Brasil, o Marechal Conde D’eu e os príncipes imperiais Dom Pedro Gastão e Dom Pedro Henrique, este último, Chefe da Casa Imperial Brasileira de 1920 a 1981.
Câmara Cascudo foi um monarquista convicto e declarado nos primeiros tempos de sua ação literária. Sobre este tema, Cascudo escreveu “Lopez do Paraguay”, 1927; “Conde d’Eu”, 1933; “O Marquês de Olinda e seu Tempo”, 1938 e “O Príncipe Maximiliano no Brasil”, 1977, além de várias Actas Diurnas relativas a assuntos da Monarquia ou de seus mais proeminentes representantes.
Dom Pedro de Orleans e Bragança foi príncipe do Grão-Pará, e como Príncipe Imperial do Brasil renunciou aos seus direitos dinásticos a coroa brasileira para casar-se com a condessa checa Elizabeth Dobrzensky de Dobrzenicz. Visitou o Rio Grande do Norte em 1927, sendo recebido no “Principado do Tirol” pela família Cascudo. “Peço-lhe dê muitas lembranças nossas a seus pais e outros amigos de Natal, de que guardamos muito boas recordações”, afirmou Dom Pedro numa carta de 1930.

Gastão de Orleans - Conde D'Eu e o filho Dom Pedro de Orleans e Bragança - Príncipe do Grão-Pará, mantiveram correspondência ativa com Cascudo. Fotos: Acervo Casa Imperial do Brasil.
O príncipe parecia atento aos movimentos político-sociais do Rio Grande do Norte quando afirma em carta de 1931: “A cidade deve ter tomado muito incremento com a importância que tomou vindo a ser o porto para as vias aéreas da Europa. Espero que no estado do Rio Grande do Norte esteja tudo agora apaziguado depois da revolução e que não tenha sofrido com a crise”.
A correspondência é parte essencial da obra de Câmara Cascudo. Não apenas porque explica e ilumina revelações biográficas, mas pela riqueza de ideias, elaborações estéticas, projetos participantes, lampejos e intimidades do pensamento em transe de um homem que foi uma das expressões mais altas e completas da cultura potiguar.

Por Anderson Lyra, Consultor de História do Rio Grande do Norte, em http://www.historiaegenealogia.com/2013/12/camara-cascudo-monarquista_24.html

Um comentário:

  1. Os remetentes são Dom Pedro de Orleans e Bragança, Príncipe do Grão-Pará, primogênito da Princesa Isabel do Brasil, o Marechal Conde D’eu e os príncipes imperiais Dom Pedro Gastão e Dom Pedro Henrique, este último, Chefe da Casa Imperial Brasileira de 1920 a 1981.

    ResponderExcluir