sábado, 23 de fevereiro de 2013

A LENDA DA CORUJA DA IGREJA MATRIZ


Um das lendas mais intrigantes e que envolve o centro da cidade como cenário é a da Coruja da Igreja Matriz. Essa misteriosa coruja rasga o céu noturno do centro da cidade, nas proximidades da Praça Augusto Severo, às vistas de todos e se encanta durante o dia dentro da igreja.
Também conhecida como Rasga Mortalha, a coruja reaparece e desaparece aleatoriamente e muitos acham que seu canto é de mau agouro, sendo sinal de morte. O próprio apelido, Rasga Mortalha, expressar o temor popular dos que escutam. O som do seu canto seria uma onomatopéia da tesoura ao cortar o tecido que serviria de vestimenta fúnebre, a mortalha. Quando ela passa em seu voo e canta sobre uma casa seria o sinal de que alguém morreria em breve alí.
Para se defender do mau agouro, as pessoas repetem fómulas mágicas expressas em gestos, como a figa, ou em frases, como “viva os noivos”, que são ditas quando a coruja passa voando.
Há uma lenda que conta a história da filha de um feiticeiro que era paga para chorar em velórios e cemitérios. Esta mulher muito inteligente e culta recebeu o apelido de Coruja Branca na aldeia onde morava. Assassinada misteriosamente, seu pai, através das cartas de tarô, descobriu que a mandante do crime era a condessa da aldeia, que não queria o romance da moça com seu filho.
Então, em um ritual mágico, ele colocou o espírito da filha dentro da estátua de uma coruja que havia no túmulo e a enviou até o castelo onde dormia a Condessa. No castelo ela piou um canto estranho, como se alguém estivesse rasgando uma roupa de seda. No dia seguinte descobriram que a condessa estava morta e que todas as suas roupas de seda estavam rasgadas.
A partir daí, sempre que alguém estava prestes a falecer, a coruja branca pousava na casa da vítima e fazia aquele som estranho. Por causa destas histórias, o animal recebeu o apelido de Rasga Mortalha. Assim, diz a lenda, que se a Rasga Mortalha pousar no telhado de uma casa e piar um som semelhante ao de um rasgo de seda é sinal de alguém naquela residência falecerá muito em breve.
A rasga-mortalha é a mesma coruja-das-torres, coruja-da-igreja ou coruja-branca, uma espécie que pertence a família dos titonídeos. É uma das aves com maior distribuição no planeta. A espécie está associada a lugares abertos, como pastagens e terrenos agrícolas ou semi-abertos. Habita em cavernas e prédios, onde faz seus ninhos, evitando as florestas.
Medem entre 25 e 45 centímetros de comprimento e com uma envergadura de 75 a 110 centímetros. As fêmeas são geralmente maiores que os machos e possui coloração castanho-claro com manchas pretas nas costas e parte de trás da cabeça. Toda parte inferior do corpo são de cor branca. A plumagem é suave e densa.
Tem excelente visão noturna, cem vezes melhor que a dos homens. É uma ave naturalmente noturna. Permanecem durante o dia em fendas em árvores, cavidades de rochedos, forros ou sótão de casas, torres de igreja etc. A sua vocalização é um grito rouco, que se assemelha ao ruído de tecido sendo rasgado. É comum que nunca bebam água, retirando todo o líquido de que necessitam da carne que consomem.
Quando acasalam, tornam-se parceiros para a vida toda e se reproduzem pelo menos uma vez ao ano em qualquer época. O par usa como ninho geralmente os mesmos locais que já usavam anteriormente.

5 comentários:

  1. isso e demais uma coruja tao inteligent

    ResponderExcluir
  2. eu amo essa lenda mas minha prima ficou com medo

    ResponderExcluir
  3. Eu tinha uma ciruha dos meus 10 aos 21 mas meu espiso sendo evangélico e eu Bruxa tive que souta la mas hoje edtou criando outra. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Gostei dessa lenda, na minha cidade acreditam no canto da coruja como indicativo de morte, mas eu não sabia da lenda que achei muito legal.!!!

    ResponderExcluir