segunda-feira, 16 de julho de 2012

Os Massacres do século XVII




Por Maria Auxiladora O. Silva; Maria Zilda de Morais; Nara Ednah de Brito e Neily Lopes Dutra – Alunas do período 99.2)
Massacre no Ferreiro Torto
Tantos massacres se sucederam por aqui, nas denominadas terras do Rio Grande, que fica difícil não nos constrangermos com tantas barbaridades. Esses atos de violência e enorme crueldade que caracterizaram o domínio holandês, aqui nessas terras, começou pelo ataque aos moradores do engenho Ferreiro Torto. A expedição desembarcou no local conhecido por " Passagem do Potigi" . Depois de terem matado algumas pessoas neste local, seguiram adiante por terra, para o já citado engenho. Hélio Galvão assegura que os " atacantes fugiram e o major Cloppenburch prosseguiu, andando mais três léguas, desde aquele ponto em que ele com os outros companheiros desembarcara. Um trecho pantanoso do caminho, já sendo tarde, impediu que atingissem o engenho, pelo que decidiram regressar à fortaleza" . ( GALVÃO: 1979, p. 83). Ao mesmo tempo corria o boato que forças portuguesas estariam a caminho, vindas da Paraíba, para ajudar os que alí se encontravam. Mas os holandeses não admitiam que se organizassem focos de resistência à sua autoridade. "Convocaram, então, o cacique Janduí, inimigo mortal dos portugueses. Na luta que se travou em ferreiro torto, morreram Francisco Coelho, proprietário do engenho, sua mulher, cinco filhos e sessenta pessoas que estavam lá refugiados". (CASCUDO: 1992, p. 14).
O Massacre de Cunhaú
O primeiro engenho construído no Rio Grande do Norte, foi palco de uma das mais trágicas páginas da nossa história. " Este engenho era a menina dos olhos dos holandeses por causa da fertilidade das suas terras" (SOUZA: 1999, p. 40). O ano era 1634, e nesse fatídico dia, sem que ninguém esperasse, pois foram enganados por Jacob Rabbi, o comandante da tropa de tapuias, potiguares e holandeses que ali chegaram com a ordem de matar todos que ali se encontravam. Esse homem indescritível, aportara por aqui para servir de intérprete entre os holandeses e os tapuias. Mas o ocorrido em Cunhaú, demonstrou que ele foi mais que um simples intérprete.
Diversos historiadores nos relatam que esse engenho foi fundado pelos irmãos Antônio e Matias de Albuquerque, na sesmaria que receberam do seu pai, Jerônimo de Albuquerque. Obedecendo a um pedido de Rabbi para que comparecessem à Igreja para tratar de um certo negócio e prometendo não ferir ninguém, muitas pessoas foram à capelinha, no dia marcado. Mas a intenção de Rabbi era outra. E, quando estavam todos ali reunidos começou a matança iniciada pelos tapuias chefiados por Jererera. Foram de uma crueza e violência sem par. "O oficiante voltou-se para os algozes e lhes disse na língua deles, em que era perito, que se tocassem em sua pessoa ou nos paramentos sagrados seriam castigados. Alguns recuaram outros nem o escutaram e os abateram". (GALVÃO : 1979, p.86). "Depois deste massacre, nunca mais os holandeses tiveram paz em Cunhaú, sucessivos atos de vingança foram realizados àquele engenho pelos portugueses"( CASCUDO: 1992, p. 35).
A chacina desse engenho promoveu uma tomada de consciência, por parte da população portuguesa, fazendo-a empenhar-se , com redobrado vigor, à tarefa de combater e expulsar os dominadores flamengos.
O Massacre na casa forte de João Lostão Navarro
Depois da matança no engenho Cunhaú, o pânico tomou conta da população daquela região. Quem não se refugiou nas fronteiras da Paraíba com o Rio Grande, dirigiu-se para a casa do sesmeiro João Lostão, situada "no desaguadouro da lagoa de papari, barra do camurupim" (CASCUDO: 1995, p. 69). Ele era sogro de Joris Garstman, primeiro governador holandês do nosso Estado.
Os holandeses temiam que aquele lugar viesse a se transformar em perigoso núcleo de resistência; trataram de expulsar os pobres colonos. Eles entendiam (os holandeses), que esses colonos estavam se preparando para uma rebelião. Sendo ameaçados e intimidados várias vezes por Rabbi e sua tropa, eles argumentavam que estavam ali para se protegerem, pois temiam por suas vidas, ameaçadas pelos selvagens. Mas o temível, o insaciável Rabbi não aceitou aquele argumento. Comandou e ordenou mais uma vez o ataque, promovendo outra carnificina, que foi realizada pelos Janduís e Potiguares. "Assassinaram de quinze a dezesseis pessoas, e trouxeram preso, para a fortaleza, João Lostão Navarro" (SOUZA: 1999, p. 44).
O Massacre de Uruaçu
Espantados com o que aconteceu em Cunhaú e na casa de João Lostão Navarro, alguns colonos "refugiaram-se nas margens do Rio Potengi, três léguas de Natal, erguendo uma defesa murada de madeira rústica" (CASCUDO: 1955, p.83). Depois de passarem por tantos massacres, tanta carnificina, resolveram se defender erguendo essa fortaleza de madeira. E mais uma vez foram enganados. Acreditando na conversa dos holandeses que poderiam sair da fortaleza pois estavam a salvos dos tapuias, os moradores acima citados caíram mais uma vez numa cilada. E foram massacrados assombrosamente pelos brasilianos que os esperavam no lugar em que foram levados pelos holandeses. E estes os ajudaram a matá-los, arrancando os olhos a uns, tirando as línguas de outros, "cortando as partes vergonhosas e metendo-lhes nas bocas" (CALADO: 1945, p. 151-2). Trazendo o restante que tinha ficado na cerca para esse mesmo local, enganando-os também, iniciaram novo massacre, sem deixar nenhum vivo. E foi de uma barbaridade tão grande que "seus membros foram divididos em partes que não se conhecia quais eram os de cada um dos ditos mártires. No mesmo instante foram os mesmos tiranos flamengos, e brasilianos à cerca, aonde somente ficaram as pobres viúvas, e órfãos, e as acabaram de despojar de todos seus bens, deixando-as a muitas nuas e com outros opróbrios, que passo em silêncio"(CALADO: 1945, p.151– 2).
A morte de Jacob Rabbi
Não podemos terminar a descrição destes massacres, sem darmos uma notícia sobre o final da vida do seu principal mentor: Jacob Rabbi. Ele, que colecionou tantas mortes na terra Potiguar, morreu assassinado por dois soldados, na madrugada de 5 de abril de 1646, a mando do comandante Joris Garstman, que desta maneira, vingara a morte de João Lostão Navarro ( SOUZA: 1999, p. 47).



Favor citar da seguinte forma:
SILVA, M. A O.; MORAIS, M. Z. de; BRITO, N. E. de e DUTRA, N. L.. Os massacres. História do RN n@ WEB [On-line]. Available from World Wide Web:
Referências Bibliográficas

CALADO, Francisco Manuel. O Valoroso Lucídeno e triunfo da liberação. São Paulo: Edições Cultura.
GALV ÃO, Hélio. História da Fortaleza da Barra do Rio Grande. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura.
MEDEIROS FILHO, Olavo. Os holandeses na Capitania do Rio Grande. Natal/RN: Instituto Histórico E Geográfico do Rn, 1998.
SUASSUNA, Luiz Eduardo Brandão; MARIZ, Marlene da Silva. História do Rio Grande do Norte Colonial: 1597/1822. Natal: Natal Editora, 1997.
SOUZA, Itamar de. Diário do Rio Grande do Norte. Projeto ler do diário de natal. Natal: 1999.
GALVÃO, Hélio. História da Fortaleaza da Barra do Rio Grande. Rio de Janeiro, Conselho Federal de Cultura.
CASCUDO, Luiz da Câmara. História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1984.
 COPIADO DE: http://www.cerescaico.ufrn.br/rnnaweb/historia/colonia/massacres.htm#img1

Um comentário:

  1. Caros editores deste blog, estes episódios têm alguma relação com religião ou tiveram apenas causas econômicas? Dizem que os holandeses que, segundo essas estórias, massacraram brasileiros e portugueses, eram religiosos protestantes e declararam que estavam matando por causa da religião católica dos que foram mortos. Há alguma registro histórico sério sobre isto? Ou os historiadores relatam que esses massacres tiveram apenas causas econômicas, nada tendo a ver com religião?

    ResponderExcluir